Mãe! – Darren Aronofsky

Em “Mãe!” a atmosfera onírica deixa poucas dúvidas quanto à literalidade da realidade na qual a história se desenrola. Me perguntei, a princípio, se em algum momento a protagonista se descobriria já morta ou louca, o que teria sido uma decepção, uma saída fácil. Felizmente o filme se compromete totalmente com sua proposta de deixar... Continuar Lendo →

Cidade das Sombras – Alex Proyas

É meia-noite no relógio de Schreiber, um médico manco e afetado, interpretado por Kiefer Sutherland; ele trabalha para seres interessados em aprender sobre a alma humana, chamados apenas de “estranhos”. A escuridão predomina no cenário artificial; durante o filme todo vemos lâmpadas relutantes em funcionar adequadamente, a luz parece fugir da maldita cidade. Os primeiros... Continuar Lendo →

Ars Onirica

I O repugnante homem já havia decidido o que faria, mas faltava-lhe coragem. No fundo das garrafas e dos copos não havia nada, nem um pingo de qualquer coisa que pudesse fazê-lo agir. Mas ele não tinha escolha, teria de matá-la. O bar estava praticamente vazio, o quarteto de jazz já estava na segunda parte... Continuar Lendo →

Mozart, O Gato

A estrada se estendia praticamente invisível na escuridão e neblina, oferecendo curvas agourentas a todo instante. Ainda assim o homem gordo e careca dirigia rápido, no rádio os clássicos dos anos 70 e 80 certamente o incentivavam. Ao seu lado um homem mais jovem, de uns trinta anos, narigudo, com sobrancelhas grossas, chorava desesperadamente. O... Continuar Lendo →

Paixão Platônica

“É uma questão de vida ou morte, vida ou morte, por favor, me ajuda!”. O que eu ia falar? Se eu fosse um pouco menos bonzinho tinha mandado se foder e me poupado da dor de cabeça. Eu me irritei justamente com o que me fez levar o apelo a sério, o tom de voz... Continuar Lendo →

A Última Vida

Desde que roubara o afiado artefato da peculiar caravana que passara pela cidade há dois dias, o jovenzinho saltava da onde quer que estivesse e corria para baixo da cama quando alguém batia na porta de sua casa. Ele imaginava um daqueles viajantes que vira na cidade, com suas grandes carroças e seus grandes cavalos,... Continuar Lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑